quarta-feira, 14 de novembro de 2007

“Quando o temporal escondeu o sol” – Parte II




O livro, “Mãe”, de Pearl Buck continuou nesta sessão dos Grupos de Leitores da Biblioteca Municipal de Carnaxide, inevitavelmente, a realçar as afinidades dos personagens e ambiente rural com diversas regiões e épocas, nomeadamente anos 50 e 60, em Portugal.
A partir daí o personagem “Mãe” vai sendo desdobrado na versão Beirã, Alentejana, Minhota, Madeirense, perdendo a sua identidade Oriental, transformando-se num personagem Universal.
Nesta sessão debruçámo-nos, também, sobre as sessões do Grupo para 2008 e imbuídos em conhecer novos povos, vamo-nos dedicar a autores de países, segundo a nossa perspectiva, constituem, ainda, um enigma, uma nova forma de ver o mundo.
Para Dezembro e para nos despedirmos do ano, recheados de reflexões, terminamos com Siddharta de Hermann Hesse.

1 comentário:

Victor Cardoso disse...

Começamos a sessão de forma diferente, isto é, não lemos a obra “MÃE”, mas visionámos um excerto do vídeo da vida de Pearl Buck ( http://www.english.upenn.edu/Projects/Buck/video-documentaries.html ). Esta Americana com toda a simpatia pela China, em que viveu grande parte da sua vida, desde os 3 meses de idade e de que veio a ser expulsa fala do Povo Chinês, cito “ O meu próprio Povo” e “O que mais adorava era a China Rural e a sua realidade”. Quanto a nós, Grupo de Leitores aqui em Carnaxide procurámos e registámos afinidades também com o Povo Chinês e encontrámos muitas. O resto foi a discussão habitual da Obra, animada e participada.
Victor Cardoso