segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Cidades Inteligentes: Ideias para o Futuro, por Miguel de Castro Neto e Luís Vicente Baptista

Que cidades teremos em 2030? A crescente urbanização tornou as cidades em ecossistemas sociais complexos onde é imperativo assegurar o desenvolvimento sustentável. Por essa razão, convidamos para as Conversas na Aldeia Global de 9 de novembro, quinta-feira, pelas 21h30, no Auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras, os investigadores Miguel de Castro Neto e Luís Vicente Baptista para uma reflexão sobre as principais ideias para o futuro a caminho dos ODS “Cidades e Comunidades Sustentáveis” e “Educação de Qualidade”. 
O conceito de cidade inteligente remete para a vontade de mobilizar de forma colaborativa os cidadãos, as autoridades locais e as empresas em torno de projetos urbanos integrados que utilizam novas tecnologias e a inovação científica ao serviço das pessoas. 
Rumo a 2030, precisamos de cidades mais verdes, inteligentes e sustentáveis. Para isso, tem de se evoluir na resolução de muitos problemas que afetam atualmente a cidade: mobilidade, escassez de recursos, alterações climáticas, desigualdades económicas e a exclusão social. Quais os recursos únicos da cidade? Quais as suas principais debilidades? Como se posiciona o a cidade face à realidade nacional e internacional? E qual é o papel do cidadão no desenvolvimento económico da cidade? Esta e outras questões vão estar em debate em mais uma Conversa na Aldeia Global.
Com Miguel de Castro Neto, Professor Auxiliar e Subdiretor da NOVA Information Management School (NOVA IMS) da Universidade Nova de Lisboa (UNL), onde é Presidente do Conselho Pedagógico. Desenvolve o seu trabalho de investigação e ensino na área da Business Intelligence e das Smart Cities. Foi Secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, entre 2013 e 2015. É Presidente do Conselho Nacional de Engenharia Agronómica da Ordem dos Engenheiros, coordenador do Grupo Cidades e Ordenamento do Território da Plataforma para o Crescimento Sustentável e Presidente do Conselho de Curadores do Festival Terras Sem Sombra. Foi-lhe atribuído o prémio Personalidade SmartCities 2017 pelo Conselho Estratégico Green Business Week .
E Luís Vicente Baptista, professor catedrático e sub-diretor, desde 2005, e vice-presidente do conselho científico, desde 2009 na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL. É também Diretor do CESNOVA, desde 2010 e foi Presidente da Associação Portuguesa de Sociologia. Tem investigado sobretudo nas áreas da história social das ideologias e das políticas públicas, sociologia da vida quotidiana, da sociologia urbana e da sociologia do consumo. 
A moderação é de Vasco Trigo. Esperamos por si!

terça-feira, 24 de outubro de 2017

As nossas sugestões...castanho


Obra-prima do romance de mistério, a Pousada da Jamaica passa-se na Cornualha no ano de 1820. Mary Yellan, uma jovem de vinte e três anos, vê-se obrigada, após a morte da mãe, a ir viver com uma tia num local ermo e isolado onde esta, juntamente com o marido, explora a Pousada da Jamaica. Mas Joss Marlyn, o marido da tia Patience, é um homem obscuro e violento, e uma atmosfera ameaçadora e sinistra envolve aquele lugar. Suspense, paixão e aventura numa obra reveladora da capacidade única de Du Maurier para captar o espírito perturbador, quase sobrenatural, dos locais que elege como cenário dos seus romances.

Thomas Moran descobre a sua vocação de uma forma, no mínimo, turbulenta. Quando em 1906 São Francisco é abalada por um violento terramoto, Thomas, então com sete anos, comete o seu primeiro acto de delinquência e a partir daí a sua vida toma um rumo que em muito reflectirá a própria história dos Estados Unidos. Gangsters de todas as nacionalidades, vigaristas, autoridades corruptas e as provações de viver à margem da sociedade constituirão o seu dia-a-dia, mas a força de um grande amor poderá estar prestes a mudar o seu destino. Quando Thomas conhece Effie, filha de um vinicultor de Napa Valley, conhece também talvez a única grande oportunidade de ir ao encontro de uma vida nova. Mas será ainda possível salvá-lo de si próprio?

Estamos em 2001, e a família Drummond, reunida pela primeira vez em muitos anos, juntou-se perto de cabo Canaveral para assistir ao lançamento no espaço da sua amada filha e irmã, Sarah. No cenário irreal e em technicolor das mais finas atrações turísticas da Florida, os Drummonds e os seus intímos conseguem manter-se em todas as atividades ilícitas possíveis debaixo do sol tropical - rapto, chantagem, armas e mercado negro, para enumerar apenas algumas delas. Aparentemente não são capazes de evitar problemas, mas o que poderia resultar numa espécie de cacofonia de talk-show, nas mãos de outro escritor, torna-se nas mãos de Coupland material para uma epopeia moderna. Mesmo quando a vida dos Drummond fica completamnte fora de controle, Coupland recorda-nos sempre a sua humanidade, forjando uma hilariante obra-prima com o olhar agudo de um crítico cultural e o coração e a alma de um dotadíssimo contador de história. Quando recua no tempo e nos faz mergulhar nos vários passados dos Drummond, conta-nos não só os seus percursos, mas também a história dos nossos tempos - talidomida, sida, drogas, divórcio, internet, tudo isso aglutinado com a nossa cola do amor e da loucura das famílias. Os Drummond irão certamente juntar-se às fileiras das grandes famílias da ficção literária.

St. Mary Mead é uma pacata aldeia inglesa, onde o dia-a-dia decorre sem incidentes de relevo e até os equívocos e desaguisados do costume fazem já parte da rotina diária. Mas o comportamento arrogante e intransigente do coronel Protheoroe, figura proeminente na vida da aldeia, torna-o no alvo preferido de comentários controversos e dos ódios mais enraizados, levando o próprio vigário a declarar um momento de desespero e irreflexão que quem matasse o coronel faria um favor ao resto do mundo. O sereno vigário Clement não imaginava então que este seu comentário pouco feliz voltaria para o atormentar...

Um dia dois forasteiros chegam à aldeia de Lagares, isolada no meio das serras, lá nos confins do Minho. Um dos forasteiros era de estatura colossal, a quem logo chamam o Gigante, mas que na realidade tem por nome Thomas, o outro era Eunice, uma mulher pequena de cabelos cor de fogo que dentro em breve daria à luz dois gémeos. Ele, originário de um incerto país latino-americano, é um grande contador de histórias tão verdadeiras quanto inesgotáveis e que fazem as delícias dos habitantes de Lagares. Um dia, porém, o Gigante adormece e o seu sono prolonga-se por meses, anos, mas continua a contar as histórias com que vai sonhando. Nessa espera interminável, Eunice decide anotar por escrito tudo o que sonha aquele homem que ama e que tanto a fascina. E será a partir daí que as coisas seguirão um novo e extraordinário curso, mudando para sempre a vida daquela gente.

Quando a morte nos conta uma história temos todo o interesse em escutá-la. Assumindo o papel de narrador em "A Rapariga que Roubava Livros", vamos ao seu encontro na Alemanha, por ocasião da segunda guerra mundial, onde ela tem uma função muito activa na recolha de almas vítimas do conflito. E é por esta altura que se cruza pela segunda vez com Liesel, uma menina de nove anos de idade, entregue para adopção, que já tinha passado pelos olhos da morte no funeral do seu pequeno irmão. Foi aí que Liesel roubou o seu primeiro livro, o primeiro de muitos pelos quais se apaixonará e que a ajudarão a superar as dificuldades da vida, dando um sentido à sua existência. Quando o roubou, ainda não sabia ler, será com a ajuda do seu pai, um perfeito intérprete de acordeão que passará a saber percorrer o caminho das letras, exorcizando fantasmas do passado. Ao longo dos anos, Liesel continuará a dedicar-se à prática de roubar livros e a encontrar-se com a morte, que irá sempre utilizar um registo pouco sentimental embora humano e poético, atraindo a atenção de quem a lê para cada frase, cada sentido, cada palavra. Um livro soberbo que prima pela originalidade e que nos devolve um outro olhar sobre os dias da guerra no coração da Alemanha e acima de tudo pelo amor à literatura.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Desafiio literário Outubro

Este mês desafiamo-lo a ler um livro da autoria de um Prémio Nobel e também a ler um livro de Literatura Fantástica:
O tesouro
O senhor Arne fora um dos homens mais ricos e mais respeitados da região. Contudo foi tragicamente morto juntamente comtodos os seus criados e uma sobrinha com menos de catorze anos. A velha mansão de família foiincendiada e o tesouro foi levado. A única sobrevivente foi a jovem órfã Eisalill que vivia com a sobrinha do senhor Arne mas que não se lembra do que sucedeu.
Numa pequena cidade costeira os habitantes perguntam-se o que se passa com a natureza: é quase Verão e o mar continua gelado. Três soldados, nobres escoceses, aguardam que o seu barco desencalhe para partirem com o seu misterioso baú. Um deles, um homem elegante e bem vestido, reconhece a jovem Elsalill, que trabalha na estalagem após ter escapado aos assassinos que mataram toda a sua família.

Romance feito de diversas histórias que se desenvolvem ao longo dos anos em dois cenários simultâneos - o bairro de la Mangachería, na cidade de Piura, e Santa Maria de Nieva, uma feitoria e missão religiosa perdida na Amazónia -, é na Casa Verde - espaço de tentação e sedução - que a trama atinge o seu expoente.
«Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o coronel Aureliano Buendía haveria de recordar aquela tarde remota em que o pai o levou a conhecer o gelo.» Com estas palavras - tão célebres já como as palavras iniciais do "Dom Quixote" ou de "À Procura do Tempo Perdido" - começam estes "Cem Anos de Solidão", obra-prima da literatura comtemporânea, traduzida em todas as línguas do mundo, que consagrou definitivamente Gabriel García Márquez como um dos maiores escritores do nosso tempo. A fabulosa aventura da família Buendía-Iguarán com os seus milagres, fantasias, obsessões, tragédias, incestos, adultérios, rebeldias, descobertas e condenações são a representação ao mesmo tempo do mito e da história, da tragédia e do amor do mundo inteiro.
Há séculos, quando a magia habitava Inglaterra, houve um mago que se distinguiu entre todos os outros. Chamou-se Rei Corvo, foi criado por fadas e, como nenhum outro, soube conjugar a sabedoria desses seres com a razão humana. Só que tudo se alterará a partir do momento em que um rei louco e alguns poetas mais arrojados fazem com que a Inglaterra deixe de acreditar na magia. O que acontecerá até meados do século XIX, quando o solitário Senhor Norrell, de Hurtfew Abbey, que faz andar e falar as estátuas de catedral de York, acredita que poderá ajudar o governo de Sua Majestade na guerra contra Napoleão. Já em Londres, Norrell encontrará Jonathan Strange, um jovem, rico e brilhante (mas também arrogante), que descobre por acaso que é um mago, tornando-se seu discípulo. Os feitos de ambos haverão de maravilhar a velha Inglaterra. Até ao momento, no entanto, em que a parceria, que parecia destinada ao sucesso, virará rivalidade. É que, fascinado pela figura sombria do Rei Corvo e atraído pela sua "insensata busca" por magias há muito esquecidas, Jonathan haverá de pôr em causa tudo o que Norrell mais estimava...
Ao longo de quase duzentos anos, audiências de todo o mundo vibraram com a Flauta Mágica, de Mozart. O prazer que sentiam com a música era igualado pelo fascínio exercido pela beleza e magia da história de Papageno, o homem-pássaro, pela assustadora e ameaçadora Rainha da Noite, pelo amor e aventuras do Príncipe Tamino e da Princesa Pamina que enfrentavam os tremendos testes mágicos do Tribunal da Sabedoria. Filha da Noite é uma história de amor, de coragem e de perseverança, mas é também uma viagem pela fantasia e pelo mundo dos sonhos, para além de ser uma versão diferente desta história há muito conhecida. Marion Zimmer Bradley usa a sua própria magia para dar às personagens eternas uma nova vida na página impressa. Tudo aquilo que tivera de ser comprimido no formato da ópera e do palco, pode agora expandir-se. E é ao som da melodia dos sonhos, dos arquétipos e da fantasia que, de palavra em palavra, as personagens encontram finalmente toda a sua plenitude e os grandes testes assumem o brilho mágico que só poderia ser conferido por uma mestra da fantasia moderna como é Marion Zimmer Bradley.

Quando Dorothy triunfou sobre a Bruxa Má do Oeste no clássico O Feiticeiro de Oz, de L. Frank Baum, apenas conhecemos a sua versão da história. Mas, afinal, quem era esta misteriosa Bruxa? De onde veio? Como se tornou tão malvada? E qual é, então, a natureza do mal?
A Bruxa de Oz conta a história de Elphaba, uma menina de pele verde, insegura, rejeitada tanto pela mãe como pelo pai, um pastor reaccionário. Na escola ela também é desprezada pela sua colega de quarto Glinda, a Fada Boa do Norte, que só quer saber de coisas fúteis: dinheiro, roupas, jóias. Neste contexto, ela descobre que vive num regime opressor, corrupto e responsável pela ruína económica do povo. Elphaba decide, então, lutar contra este poder totalitário, tornando-se na Bruxa Má do Oeste, uma criatura inteligente, susceptível e incompreendida que desafia todas as noções preconcebidas sobre a natureza do bem e do mal.
Gregory Maguire cria um mundo de fantasia tão fértil e vívido que Oz nunca mais será o mesmo.

domingo, 1 de outubro de 2017

As nossas sugestões...Dia Mundial da Música


Abandonado pelas musas, Oliver Orme pode já não ser um pintor, mas será sempre um ladrão. Orme não rouba por dinheiro, mas pela necessidade de reter e corrigir o mundo em seu redor e pelo prazer, quase erótico, de furtar algo aos outros; bens irresistíveis como Polly, a mulher do seu melhor amigo Marcus. Quando o caso de ambos é descoberto, com consequências irreparáveis para Marcus, Polly, Orme e a sua mulher Gloria, o culpado refugia-se na sua casa de infância, enveredando por um caminho que irá forçá-lo a enfrentar-se a si próprio em busca de redenção. Mordaz, espirituoso, emocional e devastador, "A Guitarra Azul" disseca a natureza do ciúme e dos relacionamentos e revela uma vida assombrada pelo desejo da posse, permanentemente consciente da fragilidade do coração dos homens...

O romance da América que cruza todo o continente ao longo de um século. Na América da multiculturalidade o acordeão vai passar pela mão de sucessivas gerações de imigrantes. A música do acordeão torna-se a voz das suas fantasias, tristezas e exuberâncias. 
São imigrantes que pagam um preço para poderem pertencer à sociedade americana. Abdicam da sua identidade, nome e cultura, sofrem o ódio étnico, o desprezo dos seus próprios filhos, vivem o crime mas também o amor, a ternura e a paixão. 
O romance de uma nação incansável que ecoa na cabeça como se fosse a letra de uma canção.

À procura, procura do vento. Porque a minha força determina a passagem do tempo. Eu quero. Eu sou capaz de lançar um grito para dentro de mim, que arranca árvores pelas raízes, que explode veias em todos os corpos, que trespassa o mundo. Eu sou capaz de correr através desse grito, à sua velocidade, contra tudo o que se lança para deter-me, contra tudo o que se levanta no meu caminho, contra mim próprio. Eu quero. Eu sou capaz de expulsar o sol da minha pele, de vencê-lo mais uma vez e sempre. Porque a minha vontade me regenera, faz-me nascer e renascer. Porque a minha força é imortal.

No La Latina, em pleno centro de Paris, um tango junta o destino de Ana e Luis. Ana é francesa e ama o tango com a mesma paixão com que rejeita o pais do seu pai: a Argentina. Luis é natural de Buenos Aires e Paris é a sua última aposta para sair de uma profunda crise económica e criativa. O projeto de um filme sobre o tango, realizado por Luis e em que Ana participará vai ligá-los a partir desse momento de um modo irreversível. Tango recria a história de uma cidade e de uma música através da saga de duas famílias que se encontram nos extremos da escala social: um cocktail explosivo de amores, lutas, alegrias e traições, e uma dança sensual que os une num abraço. O romance percorre a história do tango e a história da sociedade argentina: as famílias tradicionais, as lutas e as reivindicações operárias, a imigração e a sua contribuição para a identidade nacional.

Em Nocturnos,Kazuo Ishiguro explora os temas do amor,da música e da passagem do tempo. Das piazze italianas às colinas de Malvern,de um apartamento londrino à zona «Reservada» de um luxuoso hotel de Hollywood, encontramos nestas páginas uma singular galeria de personagens - de jovens sonhadores a músicos de café e a vedetas em declínio - num momento particular de reflexão e de reavaliação das suas vidas.Terno, intimo e cheio de humor, este quinheto de histórias é marcado por um motivo recorrente: o esforço para preservar o sentido do romance na vida. É um livro para quem se recusa a perder a esperança e teima em ver o lado positivo de tudo o que de bom e mau sucede.Lições de vida e a vida em lições de mestria narrativa.