segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Grupo de Leitores de algés - Sessão com Isabela Figueiredo

No dia 13 de Dezembro (quarta-feira) a Biblioteca Municipal de Algés promove uma sessão com a escritora Isabela Figueiredo que nos irá falar sobre o seu primeiro romance «A gorda».
Isabela Figueiredo nasceu em Lourenço Marques, Moçambique, hoje Maputo, em 1963. Após a independência de Moçambique, em 1975, rumou a Portugal, incorporando o contingente de retornados. Foi jornalista no Diário de Notícias e é professora de Português. Estudou Línguas e Literaturas Lusófonas, Sociologia das Religiões e Questões de Género. Publicou os seus primeiros textos no extinto suplemento DN Jovem, do Diário de Notícias, em 1983.
É autora de Conto É Como Quem Diz (Odivelas: Europress, 1988), novela que recebeu o primeiro prémio da Mostra Portuguesa de Artes e Ideias, em 1988, e de Caderno de Memórias Coloniais, cuja primeira edição data de 2009. Escreve regularmente no blogue Novo Mundo. Desenvolve workshops de escrita criativa e participa em seminários e conferências sobre as suas principais áreas de interesse: estratégias de poder, de exclusão/inclusão, colonialismo dos territórios, géneros, corpo, culturas e espécies." (biografia retirada da Wook: https://www.wook.pt/autor/isabela-figueiredo/1150827).
« Obra vencedora do Prémio Literário Urbano Tavares Rodrigues 2017 Maria Luísa, a heroína deste romance, é uma bela rapariga, inteligente, boa aluna, voluntariosa e com uma forte personalidade. Mas é gorda. E isto, esta característica física, incomoda-a de tal modo que coloca tudo o resto em causa. Na adolescência sofre, e aguenta em silêncio, as piadas e os insultos dos colegas, fica esquecida, ao lado da mais feia das suas colegas, no baile dos finalistas do colégio. Mas não desiste, não se verga, e vai em frente, gorda, à procura de uma vida que valha a pena viver. Este é um dos melhores livros que se escreveu em Portugal nos últimos anos.».
Venha partilhar esta experiência com a escritora!
Sessão aberta ao público em geral





segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Desafio Literário... Dezembro

Este mês desafiamo-lo a ler um romance histórico português ou um livro relacionado com o Natal:

O dia dos milagres é uma viagem apaixonante aos últimos dias do regime filipino que haveria de baquear no golpe de Estado que iniciaria a dinastia de Bragança. O autor centra a acção em Vila Viçosa, onde viviam os Duques de Bragança, e conduz-nos pelos dias de ansiedade, dias terríveis, vividos entre crenças e superstições, marcado por revoltas e sofrimento, num Portugal pobre e cansado, traumatizado pela tragédia de Alcácer Quibir, de onde espera que chegue o Rei Sebastião. O Dia 1 de Dezembro de 1640 foi um momento único da História de Portugal. Uma data que foi desprezada, até deixou de ser feriado, decisão que enxovalha a memória portuguesa. Um punhado de fidalgos, apoiado pelo Povo de Lisboa, enfrentou o mais poderoso Império do mundo. E devolveu a dignidade a Portugal. São os preparativos dessa saga extraordinária que percorrem as páginas deste romance apaixonante, terno, para que a memória colectiva não esqueça, aquilo que os novos servos do nosso tempo esqueceram, julgando Portugal do tamanho de um mero livro de contabilidade.

A descoberta de um retrato daquele avô cuja história a família sempre encobriu - Mateus Mateus, o gigante de olhar estranho que partiu, no contingente português, para a Flandres durante a Primeira Guerra Mundial - é o pretexto que a narradora encontra para, simultaneamente, escrever um romance e se afastar de um casamento que parece condenado ao fracasso. Para saber mais sobre o passado desse desconhecido, parte, também ela, para a propriedade de La Peylouse, em Saint-Venant, que alojou o Estado- Maior português nos anos 1917-1918 e da qual o avô, depois de ter servido na frente como maqueiro e coveiro, foi enviado numa missão de espionagem, acabando prisioneiro dos alemães. No bizarro hospital onde passa os meses que antecedem a batalha de La Lys (o mesmo onde virá a ser internado um cabo alemão chamado Adolf, atacado de cegueira histérica), Mateus Mateus cruza-se com figuras inesquecíveis: Alvin Martin, um inglês albino dado às premonições; Hugo Metz, o médico que usa métodos de inspiração freudiana para interrogar os pacientes; o órfão Émile Lebecq, pequeno ladrão e ilusionista amador; e, sobretudo, Georgette Six, a bela enfermeira francesa que perdeu o noivo na guerra e pela qual o português se tornará um homem diferente. E, porém, à medida que a neta de Mateus Mateus vai desfiando essa história - num jogo em que a realidade se torna indestrinçável da ficção -, também a sua vida é sacudida por uma paixão - e só o encontro com Cyril Eyck e o seu bisavô centenário trará a chave para os enigmas do próprio romance.

As mulheres assistem ao mundo como presas dos homens. A história do mundo revela tempos em que a mulher mais não é do que um instrumento da vida do homem. Neste romance, valter hugo mãe torna impossível ignorar este facto. Criador de uma linguagem exuberante, e deitando mão à mais rica imaginação, o autor explica o amor a partir do ponto de vista tremendo do machismo. Esta é a aventura de um homem que, casando com a moça mais bonita da sua terra, se deixa corromper pelo preconceito e pela pobre tradição. Entre ser divertido e cruel, O remorso de Baltazar Serapião é um marco fundamental na literatura portuguesa contemporânea.

Nas ruas de Lisboa respira-se medo. A cidade não é segura e dentro de portas há um nome que atormenta os homens e mulheres da capital: Diogo Alves, de alcunha o Pancada. Poucos lhe conhecem o rosto, mas todos temem cair nas suas mãos. Lá do alto dos arcos do imponente Aqueduto das Águas Livres, sem dó nem piedade, Diogo Alves atira as suas vítimas num voo trágico de mais de 60 metros de altura. O grito, que faz estremecer tudo e todos, dá lugar ao silêncio da morte. A jornalista Anabela Natário, no seu primeiro romance, traz-nos a arrepiante história deste homem que aterrorizou Lisboa da primeira metade do século XIX. Nascido na Galiza, aos dez anos vem para Lisboa onde de criado nas casas mais abastadas da capital passou a ladrão e de ladrão a assassino cruel. Unido pelo coração à taberneira Parreirinha, com estabelecimento em Palhavã, Diogo Alves torna-se numa verdadeira lenda. Através da consulta dos jornais da época e de peças do processo, Anabela Natário recria o processo judicial de Diogo Alves, num romance recheado de mistério e intriga. É ao juiz Bacelar que cabe a difícil tarefa de descobrir e capturar Diogo Alves e o seu bando de malfeitores. Diogo Alves, embora deixe um rasto de violência e morte, consegue sempre escapar-se às mãos da justiça. É preciso detê-lo. O juiz não desiste e aos poucos, mergulhado no ambiente de violência e miséria que se vive na capital do reino, vai juntando as peças deste complicado puzzle de crimes e assaltos.






Um príncipe herdeiro pede a Poirot para encontrar um rubi que lhe foi roubado. Para investigar o caso, o detetive tem de participar – a contragosto – numa tradicional celebração natalina inglesa numa mansão do interior. Mas um bilhete anónimo acaba por mudar tudo...
"Boas Festas para todos em qualquer altura do ano! Boas Festas para todos em qualquer altura do ano!" repicam, cada qual a seu modo e como se fossem sinos, os contos de Charles Dickens reunidos neste volume. O timbre não terá sempre a mesma cadência, mas isso nada mais significa, afinal, do que as profundas diferenças de sinceridade próprias do carácter humano. Impregnados da influência de tradição cristã e pagã, alguns desses contos de Natal, surgem repletos de episódios satíricos, de cenas familiares vibrantes e sobretudo, de um caloroso ambiente de festa; todavia, nem sempre a festa neles está presente porquanto, para Dickens, o que interessa não é a data do calendário - aliás, "de todos os dias do ano o melhor é a véspera de Natal" - mas o espírito desse mesmo Natal que pode, e deve, manifestar-se assim que alguém se encontre numa situação difícil. Por isso, os contos deixam no leitor um gosto agridoce inesperado...

Os acontecimentos daquela tarde de Dezembro, na qual, juntamente com o pai, encontrou um bebé abandonado na neve, mudarão para sempre a percepção que essa menina de 11 anos tem sobre o mundo e os adultos que a rodeiam. O pai passou por grandes tormentos para se afastar da sociedade, de modo a ultrapassar uma tragédia insuportável. A agora jovem mulher tem de viver com as consequências das terríveis escolhas que fez. E há um detective cuja inteligência é apenas ultrapassada pelo seu sentido de justiça. Escrito sob o ponto de vista de Nicky, agora com 30 anos, que sempre recorda as vívidas imagens daquela fatídica tarde de Dezembro, Luz na Neve é uma história de amor e coragem, de tragédia e redenção, um romance que nos fala das formas que o coração humano sempre encontra para se poder curar.

Um casamento reúne um grupo de velhos amigo num reencontro que mudará as suas vidas para sempre. Numa estalagem no Massachusetts, sete antigos colegas de escola reúnem-se para um casamento. Nora, a dona da estalagem, teve de reinventar recentemente a sua vida após a morte do marido. Avery, que ainda consegue ouvir os ecos de um terrível acontecimento passado vinte e seis anos antes, estabeleceu-se em Toronto com a mulher e os dois filhos. Agnes, que é actualmente professora de História, permanece solteira e anseia contar um segredo que chocaria toda a gente. Bridget, mãe de um rapaz de quinze anos, concordou, apesar da incerteza quanto à sua saúde e futuro, em casar-se com Bill, um antigo namorado do liceu que reencontrou recentemente. Na verdade, é Bill que deseja ardentemente que este casamento se realize e que reúne toda a gente para um surpreendente fim-de-semana de revelações e recriminações, perdão e redenção.



quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Livros Proibidos - Ciclo de Conversas. "Cândido ou o Otimismo", de Voltaire. Com Frei Bento domingues

Logo mais à noite, às 21H30, terá lugar, no Auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras mais uma sessão do projeto Livros Proibidos, sobre um texto incontornável: Cândido, de Voltaire. Pela voz e olhar do carismático Frei Bento Domingues.

Cândido, é um texto publicado em 1759, um dos vários que foram escritos também em consequência do terrível terramoto de Lisboa, em 1755, uma das cidades à época mais prósperas, com um importante porto comercial. É considerado a obra-prima de Voltaire e conta a história de um jovem e o seu tutor, o Professor Pangloss, um otimista cuja mantra é "tudo vai pelo melhor no melhor dos mundos possíveis". Um dos poucos livros sobre o otimismo escrito por um pessimista irreverente. O nosso autor, considerado um homem forte das Luzes, desenvolve ao longo do texto, com um registo sarcástico e humorístico, uma crítica a esta máxima ingénua de Leibniz, procurando refletir sobre conceitos como razão, arbitrariedade, o mal e/ou o bem... Conceitos estruturantes da nossa identidade e também uma certa conceção de corpo e do modo de ser humano (crítica aos lugares do poder e da religião organizada e respetivas punições corporais, verdadeiros obstáculos ao exercício crítico e do livre exame da razão). Grande defensor da liberdade é também conhecido pelos seus slogans como "Écrasez l' infâme", expressão com que assinou muitas das suas cartas. No final desta história, este Cândido de Voltaire, depois de ter passado por tantos tormentos e dificuldades, depois da sua amada, Cunugendes, ficar feia e gorda, dedica-se ao cultivo da sua horta, ao lado da sua mulher e da Velha, referindo que o trabalho evita três grande males: o vício, a necessidade e o tédio. Aliás, a enigmática última frase do texto - "devemos é cultivar o nosso jardim" - valeu dezenas de interpretações diferentes ao longo dos tempos. Um livro intemporal e que continua atual, não fosse Voltaire um dos maiores atores sociais e políticos de todos os tempos e que viveu numa época de viragem conhecida como o Século das Luzes.


Informações
214406330



quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Colóquio "Rios de Lama"


«Rios de Lama – Evocar as Cheias de Novembro de 1967 em Oeiras»
Auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras
25 de novembro de 2017

Transporte-Algés/Oeiras-9:00H Saída de Algés-Regresso às 17:30H
Local - Junto às Bibliotecas Municipais de Algés e Oeiras

PROGRAMA

9:30H-Receção aos participantes
9:45H-Sessão de Abertura - Representantes do Município de Oeiras
10:00H-O projeto cidadão «Cheias’67» – Grupo Histórias de Vida (GHV)
10:20H-«Historiar as catástrofes – a história oral, a memória e a representação» – Ana Delicado, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
10:40H-Pausa para café
11:10H-Estudos sobre cheias I –  «As cheias de 1967 – Um olhar geográfico» –  Paulo Gameiro, Ciência Cidadã, GHV
11:30H-Estudos sobre cheias II: «Gerir os rios: debates e iniciativas para controlar as inundações (séculos XIX-XX)» – Dulce Freire, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
11:50H-Estudos sobre cheias III: «A explosão do paiol do Carrascal, o boato e o pânico da população» – Helena Abreu, Ciência Cidadã, GHV
12:10H-Debate
13:00H-Almoço livre
14:30H-Mesa-redonda  «Lembrar as cheias: em torno do testemunho oral»
              Moderador – Helena Lopes, Jornalista
              - Testemunho filmado – Elisabeth Aguardela, GHV
             - As coleções Gulbenkian no Palácio Pombal – Maria Manuela Mota, antiga Conservadora  do Museu Calouste Gulbenkian
            - O movimento estudantil no rescaldo da catástrofe – Diana Andringa, Jornalista e ex-dirigente académica
16:30H-Lançamento da obra «As “Gotas de Ar Frio” que Inundaram a Grande Lisboa —Memória  as Cheias de 1967 — O Concelho de Oeiras», de Ana Paula Torres, Ciência Cidadã, GHV
17:30H-Encerramento dos trabalhos

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Dia Nacional do Pijama

Hoje é o Dia Nacional do Pijama... 20 de novembro! Neste dia as crianças pequenas são convidadas a ir para as escolas de pijama...


E vieram-nos visitar... Nas Bibliotecas Municipais de Oeiras, contaram-se e ouviram-se histórias de pijama.


Para saber mais sobre esta causa, clique:
http://www.mundosdevida.pt/_O_que_e_o_Dia_Nacional_do_Pijama