quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Se eu fosse um livro, diálogo entre leitores e escritores, última sessão, dia 12 de Dezembro, segunda, 21H30, Biblioteca Municipal de Oeiras

Se eu fosse um livro – Diálogo entre leitores e escritores
Dia 12 de Dezembro, 21H30
Biblioteca Municipal de Oeiras
Cláudia Marques Santos convida Valério Romão
Moderador: Pedro Lamares
Na última sessão da 1ª edição do projeto Se eu fosse um livro, teremos como leitora a jornalista Cláudia Marques Santos. É jornalista freelancer a trabalhar na área da cultura há 16 anos. Tem artigos publicados na imprensa, em revistas e jornais, e em televisão, tem mantido uma colaboração assídua com a produtora de subfilmes, tem um vasto know how editorial em magazines semanais de cultura.
Cláudia Marques Santos é uma apaixonada por literatura, território que conhece bem pelas inúmeras entrevistas que já realizou e pelos escritores que tem lido e que a tem lido…  Convidou como seu interlocutor o escritor Valério Romão, autor de títulos como Facas, Medo em seis andamentos ou Autismo, entre outros.
A moderação é de Pedro Lamares.
BMO, Tel. 21.440.63.30


Livros Proibidos, Ciclo de Conversas. Sessão de dia 23 de Novembro











No passado dia 23 de Novembro, o projeto Livros Proibidos recebeu D. Januário Torgal para falar sobre A Criação do Mundo de Miguel Torga. Uma sessão animada em que tivemos oportunidade de partilhar a visão e leitura do nosso convidado sobre este autor maior da literatura portuguesa. Uma oportunidade para revisitar alguns dos lugares que desempenharam um papel fundamental na construção da sua identidade, como pessoa e escritor. Era médico de profissão e poeta de vocação. Foi dos autores mais fustigados pelo lápis azul dos censores do Estado Novo, por ser um grande humanista, defensor convicto dos valores da liberdade! Obrigatório...
Consultar o Guião aqui

Próxima Sessão
14 Dez, quarta-feira, 21H30
Assalto ao Santa Maria
De Henrique Galvão
Com Camilo Mortágua
Moderador: Maria Flor Pedroso

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Conversas na Aldeia Global: Comunicação social e entendimento global, por Júlia Pinheiro e António Mateus

Na quarta-feira, 7 de dezembro, o ciclo de Conversas na Aldeia Global de 2016 termina com um painel de excelência. Convidamos a apresentadora televisiva Júlia Pinheiro e o jornalista António Mateus para uma reflexão sobre os contributos dos canais de comunicação social na promoção do diálogo, da reconciliação e da compreensão internacional.
A existência de órgãos noticiosos livres e responsáveis é essencial para a democratização da sociedade e pluralismo da expressão de opiniões. Na atual sociedade de informação e conhecimento, os meios de comunicação promovem a fusão perfeita entre informação e entretenimento, nomeadamente, através do espetáculo televisivo, abordam os domínios da economia, da política e da cultura, e influenciam o quotidiano. Desta feita, os órgãos de comunicação são determinantes na promoção dos direitos humanos e no reforço da paz.
António Mateus, escritor e jornalista, foi repórter e correspondente da agência de notícias portuguesa LUSA e da cadeia de televisão estatal, RTP, em Moçambique e Joanesburgo desde 1986. Acompanhou Nelson Mandela durante uma década (desde a libertação deste até à sua retirada da vida pública). Nos anos em que esteve destacado na África Austral, cobriu diariamente os desenvolvimentos das guerras civis em Angola e Moçambique e respetivos processos de paz, as negociações para a retirada cubana de Angola, independência da Namíbia e o fim do apartheid na África do Sul. Ainda, como correspondente na África do Sul, entrevistou dezenas de personalidades mundiais, como os Prémios Nobel da Paz Nelson Mandela, Desmond Tutu e Frederik de Klerk, Ahmed Kathrada e Graça Machel. Foi o primeiro conselheiro de comunicação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e é atualmente coordenador e apresentador do programa Olhar o Mundo, na RTP. Publicou o primeiro livro para jovens leitores sobre o grande estadista e prémio Nobel da Paz: “Mandela, o Rebelde Exemplar", também "Mandela: a construção de um homem" e, mais recentemente, "Angola – O Regresso do Fim do Mundo".


Júlia Pinheiro, apresentadora de televisão, iniciou a sua carreira na Radiotelevisão Portuguesa. Em 1992, ingressou na SIC. Entre outros programas, apresentou a "Praça Pública" (1992-1996), a polémica "Noite da Má Língua" (1994-1997) e a "SIC 10 Horas" (1999-2001). Entretanto, em setembro de 2001 passou a apresentar as "Noites Marcianas". Posteriormente, já na TVI, onde exerceu as funções de subdiretora de Programação, deu vida ao programa "Eu Confesso" (2003) e foi a apresentadora carismática do programa de entretimento - reality show "Quinta das Celebridades" (2004 e 2005) e da “Secret Story - Casa dos Segredos” (1ª edição, 2010). Em Janeiro de 2011 regressou à SIC para assumir o cargo de Diretora de Formatação de Conteúdos e onde se estreou com o programa diário Querida Júlia (2011-2014). Atualmente divide o programa Queridas Manhãs (2014) com João Paulo Rodrigues. Paralelamente à atividade de apresentadora, Júlia Pinheiro tem vários livros escritos sendo “Não sei nada sobre o amor” (2009, Esfera dos Livros) o seu primeiro romance. O livro "O Que Diz... Júlia" (2001, Texto Editores), uma compilação das suas crónicas na revista Máxima. O mais recente livro é Um “Castigo Exemplar” (2015, Esfera dos Livros). Leciona no curso de pós-graduação em Televisão da Universidade Autónoma de Lisboa e lançou este ano a revista digital: www.julia.PT.
Contamos consigo!

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

As nossas sugestões de leituras


Livros









Filmes & séries







Música













sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Apresentação de livro "André Brun" na Biblioteca Municipal de Oeiras





No próximo dia 19 de novembro José Lança-Coelho e Miguel Real apresentam alguns textos e anedotas sobre a Grande Guerra de 1914-1918. Quando se comemora o centenário da Primeira Grande Guerra fique a conhecer este autor português esquecido que nos deixou um dos melhores registos sobre a participação portuguesa neste conflito. 

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

E se os Muros Falassem? por José Milhazes

Hoje, 10 de novembro (QUI), um dia depois de conhecido o novo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o jornalista José Milhazes propõe-se refletir sobre como se caracterizam os tempos atuais na Rússia e na Europa.


Que mais muros irão ser construídos? Será possível começar a demolição dos já existentes? Como se irão desenvolver as relações entre Estados Unidos e Rússia? Qual o papel da União Europeia?


Esta e outras questão vão estar em debate logo à noite, pelas 21h30, no Auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras. Moderação de Vasco Trigo.

Contamos consigo!