quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Grupo Leitores de Algés - Sessão com o escritor Luís Osório


Grupo de Leitores de Algés, sessão com o escritor Luís Osório, dia 15 de Fevereiro, quinta, 19h15, Biblioteca Municipal de Algés

No dia 15 de Fevereiro (quinta-feira)  a Biblioteca Municipal de Algés promove uma sessão com o escritor Luís Osório que nos irá falar sobre o seu primeiro romance «A Queda de um Homem».

O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro.O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro. O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro. O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro. O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuroimeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro“O primeiro romance de Luís Osório é uma terrível metáfora sobre um tempo de decadência. A história de um homem que não sabemos se está vivo ou morto, se está acordado ou a sonhar, se matou ou foi morto, se é bom ou se é monstruoso. O tempo que lhe resta, o do próprio romance, é por isso uma tentativa de encontro e compreensão. Uma viagem de comboio que é também a viagem de cada um de nós, contemporâneos de uma história com passado e sem futuro.”

Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.
Venha partilhar esta experiência com o escritor!












segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Livros Proibidos - Ciclo de Conversas. Dia 14 de Fev., quarta, às 21H30. "O Erotismo", de George Bataille

O Erotismo, de George Bataille é um conjunto de textos, sob o registo de ensaio, que procura refletir os diferentes aspetos da vida humana sob o ângulo do erotismo e que estará em análise nesta sessão. Publicado em 1957, as lições do nosso autor são ainda adequadas à nossa época, pois o erotismo continua a ser uma questão complexa. O mérito de Bataille foi o de encarar o erotismo no seu quadro sociológico, antropológico e filosófico.
De que falamos quando falamos de erotismo? Este é também um problema linguístico, uma vez que a palavra gera muitos equívocos e existe sempre a tendência de, numa primeira e imediata a análise, a conotar apenas, à sexualidade.  Contudo, o seu âmbito é muito mais alargado, uma vez que falar em erotismo implica, forçosamente e no entender de Bataille, falar em transgressão, na morte e no sagrado. O Erotismo implica também a busca do Outro, utilizando como suporte dessa busca a linguagem verbal e não verbal. Numa época em que as regras morais das sociedades contemporâneas eliminaram muitas interdições em relação ao corpo e ás suas ligações com o mundo em redor (eliminando a fronteira entre espaço público/espaço privado) e tendo em consideração a temática deste 4º Ciclo do projeto Livros Proibidos, era obrigatório revisitar este texto de Bataille que continua a ser uma referência importante na reflexão de todas as questões de e sobre o corpo, os seus suportes e as suas linguagens. Com o Professor Carlos João Correia. A moderação é de Maria Flor Pedroso.


George Bataille será o último autor a ser abordado neste Ciclo, naquela que é a última sessão desta iniciativa. Foram 4 anos de muitas conversas, aprendizagens, partilhas e de momentos que irão sem dúvida gravar o projeto Livros Proibidos na memória cultural do Município de Oeiras. Uma palavra de agradecimento a todos os oradores que construíram a sua história e aos moderadores Ricardo Costa, Nicolau Santos e Maria Flor Pedroso que com rigor, profissionalismo e generosidade encontraram tempo nas suas agendas para participar. São eles também o grande rosto desta iniciativa.

Uma palavra final de especial agradecimento para o público e os munícipes. São eles a razão de ser do nosso trabalho, dos textos produzidos, da preparação e programação das sessões e de toda a parte logística do projeto sem a qual nada seria possível… Sempre com a convicção de que fazemos mais e melhor para cumprir e contribuir afinal para a missão pública da promoção e mediação do conhecimento, o alargamento dos horizontes e o exercício de uma cidadania ativa. Só assim se constrói um mundo melhor. É o esforço e marca da equipa da DBDI. Que privilégio foi fazer parte desta viagem…
Obrigada a todos!



Consultar o guião da sessão
Inf
214406330
ana.jardim@cm-oeiras.pt

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

As nossas sugestões..comboios

Este mês sugerimos-lhe a leitura de um livro em que o comboio esteja em destaque:
Ruth recebe do pai, um milionário americano, uma extraordinária jóia que encerra “um rasto de tragédia e violência”. Embora seja avisada de que não deve transportá-la para fora do país, Ruth decide levá-la consigo quando parte para Nice a bordo do famoso Comboio Azul. A notícia do seu assassinato será para todos um imenso choque… e mais um desafio para Hercule Poirot.

Akhila é uma mulher de quarente e cinco anos, solteira, empregada nas Finanças, a quem nunca foi permitido viver a sua própria vida; foi sempre a filha, a irmã, a tia, o sustento. Até ao dia em que compra um bilhete de ida para a cidade de Kanyakumari, à beira-mar, heroicamente só pela primeira vez na vida e decidida a libertar-se de tudo o que lhe foi imposto. Na atmosfera íntima da carruagem para mulheres, Akhila penetra nos momentos mais privados das suas vidas, procurando neles a solução para a pergunta que a acompanha desde sempre : poderá uma mulher ficar solteira e ser feliz, ou será que precisa de um homem para se sentir completa?

Homenagem a um comboio que já não existe, mas que continua a viajar na memória dos homens e mulheres da Patagónia, estes «apontamentos de viagem» - como lhes chamou Luis Sepúlveda - tornaram-se um dos livros de referência do grande autor chileno. Desde os seus primeiros passos na militância política, que o levaram à prisão e depois ao exílio em diferentes países da América do Sul, até ao reencontro feliz, anos depois, com a Patagónia e a Terra do Fogo, é uma longa viagem (e uma longa memória) aquela que Luis Sepúlveda nos propõe neste seu livro. Ao longo dele, confrontamo-nos com uma extensa galeria de personagens inesquecíveis e com um conjunto de histórias magníficas, daquelas que só um grande escritor é capaz de arrancar aos labirintos da vida.

Uma viagem que se inicia na Cidade do Cabo e que Theroux, passando por Angola, queria que acabasse no Norte de África. Porém, após visitar Angola, o incansável viajante decide interromper o seu caminho ascendente. As experiências-limite por que passou, a deceção com a decadência, a colonização pelo materialismo ocidental, a omnipresença da corrupção e a perda da comunhão dos povos com a natureza terão feito desta a última viagem de Theroux ao Continente Negro. Angola sai maltratada deste livro, assim como muitas figuras de proa de organizações humanitárias que operam em África.Um documento impiedoso e de gritante atualidade.

Pouco depois das doze batidas da meia-noite, um nevão obriga o Expresso do Oriente a parar. Para aquela época do ano, o luxuoso comboio estava surpreendentemente cheio de passageiros. Só que pela manhã havia, vivo, um passageiro a menos. Um homem de negócios americano jazia no seu compartimento, apunhalado até à morte. Poirot aceita o caso, aparentemente fácil, que acaba por se revelar um dos mais surpreendentes de toda a sua carreira. É que existem pistas (muitas!), existem suspeitos (muitos!), sendo que todos eles estão circunscritos ao universo dos passageiros da carruagem. Para ajudar às investigações, o morto é reconhecido como sendo o autor de um dos crimes mais hediondos do século. Com a tensão a aumentar perigosamente, Poirot acaba por esclarecer o caso…de uma maneira a todos os títulos surpreendente!

Mano Majra é uma povoação numa zona remota de fronteira, onde sikhs e muçulmanos viveram juntos e em paz ao longo de séculos. Mas tudo muda quando um dia, no fim do Verão, aparece o "comboio fantasma". A sua carga silenciosa anuncia um período de sombras e de discórdia e traz consigo a ameaça da guerra à tranquilidade idílica da aldeia. A semente do ódio está lançada e Mano Majra não será mais a mesma. No entanto, é neste cenário ameaçador que irrompe na aldeia o namoro entre Jugga, um jovem sikh que passa a vida a entrar e sair da prisão local e de Nooran, a filha do mullah. Uma história de amor impossível que transcende tudo e todos, um «Romeu e Julieta» indiano.  Neste livro, que lançou o seu nome a nível internacional, Khushwant Singh serve-se da sua brilhante prosa para denunciar um dos mais esquecidos e sangrentos episódios da história da humanidade: o fim do colonialismo inglês na Índia e criação do novo estado do Paquistão. Uma história brutal com repercussões que duram ainda nos dias de hoje.



terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Grupo de Leitores de algés à conversa com... Sérgio Godinho!


Na próxima quarta-feira, dia 10 de janeiro, pelas 19h15, o Grupo de Leitores de Algés receberá o escritor Sérgio Godinho para uma sessão sobre o seu primeiro romance "Coração Mais Que Perfeito", editado pela Quetzal Editores.

«Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.»


 Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.Amor imperfeito que se sublima na perfeição do diamante.
Depois de "Vidadupla", que reúne um conjunto de contos, a Quetzal publica o primeiro romance do popular cantor e compositor, agudo cronista e bardo dos últimos quarenta anos portugueses.
Os insondáveis e pedregosos caminhos do coração, amores imperfeitos que se sublimam até à perfeição e pureza do diamante.
Venha partilhar esta experiência com o escritor!



Sessão aberta ao público em geral.



segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

TOP LIVROS DAS BIBLIOTECAS MUNICIPAIS DE OEIRAS

A Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras destaca os cinco livros mais procurados nos últimos três meses - Outubro, Novembro e Dezembro -, distribuídos entre livros de ficção e não ficção.
Top 5 - Ficção
1º | O ministério da felicidade suprema - Arundhati Roy
Resumo: "Num cemitério da cidade, Anjum desenrola um tapete persa puído entre duas campas. Num passeio de betão surge um bebé, como que do nada, num leito de lixo. Num vale coberto de neve, um pai escreve à filha de cinco anos, falando-lhe do número de pessoas que estiveram presentes no seu funeral. Num apartamento, sob o olhar atento de uma pequena coruja, uma mulher solitária alimenta uma osga até à morte. E, na Jannat Guest House, duas pessoas dormem abraçadas como se tivessem acabado de se conhecer. Uma viagem íntima pelo subcontinente indiano, desde os bairros superlotados da Velha Deli e os centros comerciais reluzentes da nova metrópole às montanhas e os vales de Caxemira, com um elenco glorioso de personagens inesquecíveis, apanhadas pela maré da História, todas elas em busca de um porto seguro. Contada num sussurro, num grito, com lágrimas e gargalhadas, é uma história de amor e ao mesmo tempo uma provocação. Os seus heróis, presentes e defuntos, humanos e animais, são almas que o mundo quebrou e que o amor curou. E, por este motivo, nunca se renderão." Ver registo no #catalogo online
2º | Escrito na água - Paula Hawkins
Resumo: "Um thriller intenso, da autora do bestseller mundial "A Rapariga no Comboio". Cuidado com as águas calmas. Não sabemos o que escondem no fundo. Nel vivia obcecada com as mortes no rio. O rio que atravessava aquela vila já levara a vida a demasiadas mulheres ao longo dos tempos, incluindo, recentemente, a melhor amiga da sua filha. Desde então, Nel vivia ainda mais determinada a encontrar respostas. Agora, é ela que aparece morta. Sem vestígios de crime, tudo aponta para que Nel se tenha suicidado no rio. Mas poucos dias antes da sua morte, ela deixara uma mensagem à irmã, Jules, num tom de voz urgente e assustado. Estaria Nel a temer pela sua vida? Que segredos escondem aquelas águas? Para descobrir a verdade, Jules ver-se-á forçada a enfrentar recordações e medos terríveis há muito submersos naquele rio de águas calmas, que a morte da irmã vem trazer à superfície. Um livro profundamente original e surpreendente sobre as formas devastadoras que o passado encontra para voltar a assombrar-nos no presente. Paula Hawkins confirma, de forma triunfal, a sua mestria no entendimento dos instintos humanos, numa história com tanta ou maior intensidade do que A Rapariga no Comboio." Ver registo no #catalogo online
3º Isabel de Aragão entre o céu e o inferno - Isabel Stilwell
Resumo: "Entre o céu e o inferno. Assim foi a vida de Isabel de Aragão. Nasceu envolta no saco sagrado, a 11 de fevereiro de 1270, em Saragoça. Intocável. Protegida. Com poucos dias de vida o avô, Jaime I, levou-a consigo para Barcelona, no meio de uma tempestade. Cresceu a ouvir histórias de grandes conquistas, de reinos divididos por lutas sangrentas entre pais e filhos e entre irmãos. A história de Caim e Abel. Uma história que se repetiu ao longo da sua vida… Aos 12 anos casou com D. Dinis, rei de Portugal, e junto dele governou durante 44 anos. Praticou o bem, visitou gafarias, tocou em leprosos e lavou-lhes os pés, gastou a sua fortuna pessoal a ajudar os que mais precisavam e mandou construir o mosteiro de Santa Clara, em Coimbra. Da sua lenda fazem parte milagres, curas e feitos. Mas «a melhor rosa de Aragão», que herdou o nome da Santa Isabel da Hungria, «era boa para ser rei», como dizia muitas vezes o marido. Junto dos seus embaixadores e espiões, com a ajuda da sua sempre fiel Vataça, jogou de forma astuta no tabuleiro do poder. Planeou e intrigou. Mas a história teimava em repetir-se. Caim e Abel. Pai contra filho, o seu único filho varão contra os meios-irmãos bastardos. Morreu aos 66 anos, depois de uma penosa viagem de dezenas de léguas de Coimbra a Estremoz, montada numa mula, para evitar mais um conflito entre Portugal e Castela. Sempre acreditou que a película em que nascera a protegeria de tudo, mas nos últimos tempos de vida sentia-se frágil e vulnerável. E duvidava. Onde falhara como mulher e mãe? Isabel Stilwell, a autora bestseller de romances históricos, traz-lhe a extraordinária e emocionante história da rainha que Portugal imortalizou como Rainha Santa." Ver registo no #catalogo online
4º Nocturnos cinco histórias sobre música e o cair da noite - Kazuo Ishiguro
Resumo: "Em Nocturnos,Kazuo Ishiguro explora os temas do amor,da música e da passagem do tempo. Das piazze italianas às colinas de Malvern,de um apartamento londrino à zona «Reservada» de um luxuoso hotel de Hollywood, encontramos nestas páginas uma singular galeria de personagens - de jovens sonhadores a músicos de café e a vedetas em declínio - num momento particular de reflexão e de reavaliação das suas vidas.Terno, intimo e cheio de humor, este quinheto de histórias é marcado por um motivo recorrente: o esforço para preservar o sentido do romance na vida. É um livro para quem se recusa a perder a esperança e teima em ver o lado positivo de tudo o que de bom e mau sucede." Ver registo no #catalogo online
5º A rapariga no gelo - Robert Bryndza
Resumo: "Quando um rapaz descobre o corpo de uma mulher debaixo de uma espessa camada de gelo num parque do sul de Londres, a inspetora-chefe Erika Foster é imediatamente chamada para liderar a investigação. A vítima, uma jovem bela e rica da alta sociedade londrina, parecia ter a vida perfeita. No entanto, quando Erika começa a investigar o seu passado, vislumbra uma relação entre aquele homicídio e a morte de três prostitutas, encontradas estranguladas, com as mãos amarradas, abandonadas nas águas geladas de outros lagos de Londres. A sua última investigação deu para o torto, e agora Erika tem a carreira presa por um fio. Ao mesmo tempo que luta contra os seus demónios pessoais, enfrenta um assassino altamente mortífero e que se aproxima tanto mais dela quanto mais próxima ela está de expor ao mundo toda a verdade. Conseguirá Erika apanhar o assassino antes de ele escolher a próxima vítima?." Ver registo no #catalogo online
Top 5 - Não Ficção
1º Sapiens, história breve da humanidade - Yuval Noah Harari
Resumo: "Recorrendo a ideias da paleontologia, antropologia e sociologia, Yuval Noah Harari analisa os principais saltos evolutivos da humanidade, desde as espécies humanas que coexistiam na Idade da Pedra até às revoluções tecnológicas e políticas do século XXI — que nos transformaram em deuses, capazes de criar e de destruir. Esta é uma obra desafiadora, desconcertante e inteligente, uma perspetiva única e original sobre a nossa História e o impacto do ser humano no planeta." Ver registo no #catalogo online

2º Chegar novo a velho : receitas - Manuel Pinto Coelho, Camila Balbi
Resumo: "Depois do enorme sucesso do livro "Chegar Novo a Velho", Manuel Pinto Coelho, o maior especialista português em anti-aging, apresenta um livro de receitas que seguem os princípios básicos que defende: uma alimentação promotora de hormonas, alcalina e paleolítica. Para isso, convidou Camila Balbi, uma ex-modelo que desenvolve a sua atividade como Integrative Nutrition Health Coach e que é muito conhecida pelos workshops que faz na área da alimentação saudável. Mais de 60 receitas criadas por Camila Balbi e comentadas, caso a caso, por Manuel Pinto Coelho, onde explica ao pormenor os benefícios dos ingredientes utilizados e a forma de os combinar e confecionar." Ver registo no #catalogo online
3 º Arrume a sua casa, arrume a sua vida : a magia do método japonês para organizar o seu espaço e transformar a sua vida - Marie Kondo
Resumo: «Cada coisa no seu sítio!»… quantas vezes não ouvimos as nossas mães ou avós a dizer isso? A verdade é que, no tempo delas, era mais fácil fazê-lo; elas não viviam rodeadas dos gadgets e dos mil e um pequenos objetos que «atafulham» as nossas casas, nem tinham saldos quatro vezes por ano para encher os armários de roupa que nunca se chega a vestir… Temos de o admitir: hoje em dia, a maior parte de nós tem a casa cheia de «tralha». E o problema é que essa tralha que nos rodeia tem uma influência muito subtil mas profundamente negativa na nossa qualidade de vida. Habitar um espaço desordenado faz-nos ser mais desorganizados na maneira de pensar e de nos comportarmos. A fórmula é simples: espaços desarrumados e feios resultam de estados de espírito infelizes, e causam ainda mais infelicidade; espaços bonitos e arrumados resultam numa vida bonita e arrumada. Mas como o conseguir? Afinal, limpar a «tralha» das nossas vidas dá tanto trabalho que a maior parte de nós nem saberia por onde começar… É aqui que entra o método mágico de Marie Kondo, a especialista japonesa em arrumação que está a fazer furor em todo o mundo. "Arrume a Sua Casa, Arrume a Sua Vida" é o best-seller internacional que está a transformar a vida de milhões de leitores em todo o mundo. Revela os segredos e ferramentas simples, práticos e profundamente sábios de Marie Kondo para deitar fora o que não interessa, cuidar do que interessa e transformar os espaços que habita em ambientes de tranquilidade e ordem." Ver registo no #catalogo online
4º Mindfulness o diário exercícios para o ajudar a encontrar a paz e a calma onde quer que esteja - Corinne Sweet
Resumo: "Exercícios para encontrar a paz e a calma onde quer que esteja com a prática simples e poderosa de mindfulness. Um livro com orientações sobre como enfrentar as tarefas quotidianas de um modo mindfulness, estando presente, concentrado no agora, com o pensamento calmo e procurando o relaxamento, uma maior consciência do próprio corpo, pensamentos e atitudes." Ver registo no #catalogo online

5º Desperdício zero: simplifique a sua vida reduzindo o desperdício em casa - Bea Johnson
Resumo: "A guru do «Desperdício Zero em Casa» Filosofia de vida com base nos cinco “erres”: refuse (recusar), reduce (reduzir), reuse (reutilizar), recicle (reciclar) e rot (decompor) Que tal implementar em sua casa e na vida uma filosofia de desperdício zero? Com este livro, aprenderá a erradicar o lixo da sua vida passo a passo. A autora demonstra os benefícios que usufruímos de um estilo de vida sem desperdícios: para isso, basta recusar aquilo de que não precisamos, reduzir o consumo, reutilizar e reciclar tudo aquilo que não podemos recusar. Deste modo, melhorará o seu estilo de vida, a sua saúde, poupará mais dinheiro e tempo, e proporcionará um futuro melhor para si, para a sua família e para o planeta." Ver registo no #catalogo online
Boas Leituras!

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Ano Novo Vida Nova As nossas sugestões

Ella Woodward tinha 19 anos e estava a passar o verão em Paris, quando foi atacada por uma febre altíssima, tinha hemorragias, visão turva… Eram os primeiros sintomas de uma doença raríssima, que a deixou presa à cama meses a fio. A sofrer dores terríveis, sem energia, foi medicada sem sucesso – nem os esteróides resultavam. Gulosa desde criança, viciada em açúcar, decidiu cortar com a carne, os doces, o glúten e os produtos lácteos, numa cura de desintoxicação. Começou logo a sentir-se melhor. Mas como andava cada vez mais farta de pratos desenxabidos, decidiu criar as suas próprias receitas saudáveis, e partilhá-las num blogue, Deliciously Ella. Para seu grande espanto, Ella, que nunca tinha cozinhado na vida, tornou-se um caso de popularidade, com mais de dois milhões de seguidores mensais. O segredo? Pratos supersaudáveis, absolutamente deliciosos e tão fáceis de fazer que às vezes dar um jantar sofisticadíssimo até parece batota – fica tudo pronto entre 10 a 30 minutos e com ingredientes que encontra na maior parte dos supermercados. Hoje, Ella Woodward é uma estrela global, e o seu livro de estreia, "As Delícias de Ella", vendeu mais 30 mil exemplares logo na primeira semana, e permanece desde então nos tops de vendas. Reúne 120 receitas (do guacamole ao brownie de batata doce), e todas as dicas que um iniciado precisa para se tornar um Chef de mão cheia.
Quer transformar a sua casa num autêntico jardim comestível? Não importa onde viva ou quanto espaço tenha: alfaces na varanda, tomates no terraço, abóboras em vasos e morangos no pátio das traseiras, onde haja um pouco de espaço, luz - e vontade! -, pode haver uma horta. Hoje em dia, as propriedades e os benefícios da horticultura são mais que reconhecidos e multiplicam-se à nossa volta as hortas urbanas, familiares, coletivas e escolares. O cultivo ecológico de alimentos está a espalhar-se como… um pé de hortelã! Afinal, ter uma horta representa a possibilidade de contemplar os ritmos da natureza, de relaxar, de se divertir e ainda por cima comer alimentos mais saudáveis, frescos… e baratos! E você, já começou a semear a sua felicidade?
Quem pratica ioga mantém-se saudável, é mais flexível, possui mais vitalidade e vive duma forma mais equilibrada e tranquila. Isto é tão válido na nossa sociedade actual (aproximadamente 5000 anos depois do nascimento do ioga) como o foi no seu tempo, na Índia. A autora resgata a sabedoria ancestral do ioga, complementando-a com os conhecimentos modernos procedentes da escola das costas e das técnicas fisioterapêuticas ocidentais. Para além dos exercícios dedicados ao corpo, o caminho interior do ioga também tem lugar nesta obra: exercícios de relaxamento, de respiração (pranayamas) e meditação ajudam a mente a descansar e a concentrar-se mais facilmente.
Quer queiramos quer não, fotografar já não é o que era. De facto, a fotografia digital revolucionou por completo todo o processo de composição e de tratamento da imagem, que pode agora ser recriada, corrigida ou até simplesmente ignorada assim que acabamos de premir o obturador. Ciente das potencialidades infinitas actualmente ao alcance de profissionais e de amadores, Michael Freeman, fotógrafo e escritor de renome internacional, ensina-o, no presente livro, a trabalhar com as novas ferramentas de edição de imagem, revelando-lhe também todos os seus segredos. Para o autor, porém, a fotografia, para além de poder ser um mero documento, é sobretudo uma expressão da criatividade humana e o bom fotógrafo necessariamente um artista. Nesse sentido, Freeman convida-o a redescobrir um sem-número de técnicas tradicionais relativas à composição, enquadramento, equilíbrio e ritmo das imagens, bem como à sua profundidade, textura, contraste e perspectiva. Em suma, através de uma profusão de ilustrações deslumbrantes e da sua prosa rigorosa e acessível, Michael Freeman propõe-se empreender uma autêntica educação do olhar, lançando-lhe ao mesmo tempo um desafio fascinante: o de deixar a sua marca criativa em cada fotografia revelada.
Uma atitude positiva perante a vida e um mundo mais autêntico e profundo. Este é um livro de pequenos grandes textos intimistas e de atitude positiva. A escrita impressionista de Laurinda Alves tem o condão de nos inspirar e guiar pelos caminhos da vida. Sem impor nada mas apenas sugerindo ideias ou sublinhando palavras e gestos, a autora mostra um mundo mais autêntico e mais profundo. Um mundo onde apetece viver.